Garibaldi: aos 92 anos morre dona Enedina Gaicoa Rodrigues, uma das mais antigas benzedeiras do RS

Morreu no início da noite deste domingo (29), em  Garibaldi, dona Enedina Gaicoa Rodrigues, de 92 anos, uma das benzedeiras mais antigas do Rio Grande do Sul. A idosa não resistiu as complicações causadas pela […]


Publicado por Adriano Padilha

há 4 semanas atrás

Compartilhar

Morreu no início da noite deste domingo (29), em  Garibaldi, dona Enedina Gaicoa Rodrigues, de 92 anos, uma das benzedeiras mais antigas do Rio Grande do Sul. A idosa não resistiu as complicações causadas pela Covid-19. Ela não possuía comorbidades e estava internada desde a última quarta-feira (25) no Hospital Beneficente São Pedro. Este é o 68° falecimento por coronavírus registrado no município.

Nascida em Alegrete, mudou-se para Garibaldi acompanhando o marido, que trabalhou na construção da viação férrea e na ponte Ernesto Dorneles, que une Bento Gonçalves a Veranópolis. O casal foi um dos primeiros moradores do bairro São Francisco. Naquela época, dona Enedina começou a ganhar fama na cidade exercendo o dom que conta ter  recebido de uma amiga.

Conhecida pelo seu jeito carinhoso e pela forma atenciosa em que recebia cada um que contava com suas preces,  ela estava sempre disposta a ajudar. Para livrar do mau olhado e da inveja, a técnica era benzer com a ajuda de um terço e de brasa. Enquanto rezava, Enedina esquentava uma tesoura nas brasas do fogão a lenha. Em seguida, segurava a tesoura, olhava para o enfermo e fazia o sinal da cruz, circundando cabeça, peito e ombros.

Nos últimos anos muitas pessoas ainda a procuravam pedindo para serem benzidas. No entanto, a idade avançada exigiu aposentadoria. Atualmente, ela estava morando na Casa de Repouso Arco-Íris.

Generic placeholder image
Por Adriano Padilha

há 4 semanas atrás

Compartilhar
    lens

    AGORA

    • Programa Alto Astral

    A SEGUIR

    • Programa Jornal Leouve

Previsão do tempo

Loading...
weather icon

°C

Parceiros

previous arrow
next arrow
Slider