Mais de 500 pessoas com comorbidades já foram vacinadas em Bento Gonçalves

Em andamento desde a última terça-feira (04), a etapa de vacinação contra o coronavírus, do grupo das comorbidades, já atendeu cerca de 510 pessoas. A vacina utilizada é Oxford/Astrazeneca. Para esta fase serão imunizados dois […]


Publicado por Adriano Padilha

há 5 meses atrás

Compartilhar

Em andamento desde a última terça-feira (04), a etapa de vacinação contra o coronavírus, do grupo das comorbidades, já atendeu cerca de 510 pessoas. A vacina utilizada é Oxford/Astrazeneca.

Para esta fase serão imunizados dois grupos:

Grupo 01   

Pessoas com Síndrome de Down maiores de 18 anos, cerca de 50 pessoas foram imunizadas nesta quinta-feira (06).

Pacientes renais crônicos, acima dos 18 anos, serão vacinados no próprio serviço de diálise, no Hospital Tacchini

Grupo 02

Para o grupo 02 é realizado o agendamento, das 9h às 17h, no telefone 3771-4250. A vacina será realizada no Espaço de Saúde do Idoso, no bairro Progresso.

Gestantes e puérperas com comorbidades maiores de 18 anos, com atestado médico e carteira da gestante.(não devem ter realizado a vacina da gripe nos últimos 15 dias)

Pessoas com deficiência cadastradas no plano Beneficio de Prestação Continuada entre 55 e 59 anos. Deve apresentar cópia atualizada da comprovação da comorbidade. Identificação pelo cadastro ativo.

Pessoas com comorbidades de 55 a 59 anos (lista a baixo).

Documentos necessários já mencionados para cada grupo. Além dedocumento com foto e cartão do SUS.

Gestantes: carteirinha de gestante, atestado médico e comprovação da comorbidade.

Pessoas com comorbidades: exame médico, relatório médico ou receita médica.

Confira a lista de comorbidades:

Diabetes melitus Inclui “qualquer pessoa com diabetes”, segundo a Secretaria de Saúde.

Pneumopatias crônicas graves Pessoas com pneumopatias graves incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática).

Hipertensão Arterial Resistente (HAR) HAR, segundo a Secretaria de Saúde, é quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas, mesmo com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão. Também inclui quem tem a pressão controlada apenas após uso de quatro ou mais fármacos anti-hipertensivos.

Hipertensão Arterial estágio 3 Pressão arterial sistólica 2180mmHg e/ou diastólica 2110mmHg, independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade.

Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com LOA PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg, na presença de lesão em órgão-alvo (LOA) e/ou comorbidade.

Doenças cardiovasculares 

Insuficiência cardíaca (IC) IC com fração de ejeção reduzida, intermediária ou preservada; em estágios B, C ou D, independente de classe funcional da New York Heart Association.

Cor-pulmonale e hipertensão pulmonar Pacientes com cor-pulmonale crônico (aumento do ventrículo direito secundário à pneumopatia, o qual provoca hipertensão arterial pulmonar, sucedida por insuficiência ventricular direita) e hipertensão pulmonar primária ou secundária.

Cardiopatia hipertensiva Inclui hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica (lesões em outros órgãos Halvo).

Síndromes coronarianas crônicas Inclui Angina Pectoris estável, cardiopatia isquêmica e pós-infarto agudo do miocárdio.

Valvopatias Lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico (como estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricuspide, entre outras).

Miocardiopatias e pericardiopatias Neste grupo, são consideradas miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica e cardiopatia reumática.

Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas Inclui aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos.

Arritmias cardíacas Serão consideradas arritmias cardíacas com importância clínica e/ou cardiopatia associada, como fibrilação e flutter atriais.

Cardiopatia congênita no adulto Devem ser cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica, crises hipoxêmicas, insuficiência cardíaca, arritmias e comprometimento miocárdico.

Próteses valvares e dispositivos cardíacos Estão entre os aparelhos: marca-passos, cardiodesfibriladores, ressincronizadores e assistência circulatória.

Doença cerebrovascular Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico, ataque isquêmico transitório ou demência vascular.

Doença renal crônica Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica.

Imunossuprimidos

Inclui:

1.    Pessoas transplantadas de órgão sólido ou de medula óssea;

2.    Pessoas vivendo com HIV e CD4

3.    Doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida;

4.    Pessoas em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias;

5.    Pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses;

Anemia falciforme Inclui todos os níveis com esse diagnóstico.

Obesidade mórbida Considerados aqueles com índice de massa corpórea (IMC) a partir de 40.

Cirrose hepática Do tipo A, B ou C.

Generic placeholder image
Por Adriano Padilha

há 5 meses atrás

Compartilhar
    lens

    AGORA

    • Programa Viva Noite

    A SEGUIR

    • Programa Viva na Madrugada

Previsão do tempo

Loading...
weather icon

°C

Parceiros

previous arrow
next arrow
Slider